04/09/2017

HMC torna-se referência em Oncologia Pediátrica no Leste de Minas

A Oncologia Pediátrica do Hospital Márcio Cunha é referência para o tratamento de crianças e adolescentes de 85 municípios do Leste de Minas

A Oncologia Pediátrica do Hospital Márcio Cunha é referência para o tratamento de crianças e adolescentes de 85 municípios do Leste de Minas


Portaria oficializa o serviço oferecido, ampliando a assistência à comunidade

O Ministério da Saúde, em norma portaria publicada no Diário Oficial da União neste mês de agosto, oficializou o serviço de oncologia pediátrica do Hospital Márcio Cunha (HMC) como referência no Leste de Minas, dentro da rede de atenção oncológica do Sistema Único de Saúde (SUS). Assinada pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, a portaria Nº 2.087 reconheceu o hospital como a 6ª instituição habilitada no Estado, sendo a única com unidade exclusiva para tratamento oncológico pediátrico.

Até a publicação da norma, em Minas Gerais, existiam apenas 5 entidades credenciadas ao tratamento do câncer infantil. “Estamos muito satisfeitos com este reconhecimento. Trata-se de um trabalho que a Fundação vem realizando, diuturnamente, junto a Prefeitura, o Estado de Minas e o Ministério da Saúde e que, agora, está oficializado para todo o país”, conta a gerente da unidade de oncologia, Ledvânia Chaves Ribeiro.

Anteriormente, o HMC atendia a pacientes do SUS como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia – UNACON com Serviço de Hematologia e Radioterapia. Com a alteração, inclui-se a habilitação de Oncologia Pediátrica e estabelece recurso financeiro específico a ser incorporado pelo Ministério da Saúde. Agora, a expectativa da equipe responsável é assistir até 50 novos pacientes por ano – no primeiro semestre de 2017, foram 10.

“O que muda, em termos de atendimento, é o acesso formalizado. Até então, nós já estávamos assistindo crianças pelo SUS para tratamento oncológico, porém, somente aquelas que tinham uma autorização prévia. Com a publicação, somos uma referência oficial para a macrorregião Leste, que compreende uma população de 1.463.073 habitantes e 86 municípios. Conseguimos reduzir os deslocamentos para os grandes centros, deixando a criança mais perto de casa e da família”, explica o superintendente Geral de Hospitais da FSFX, Mauro Oscar Soares de Souza Lima.

Nova unidade especializada

Realizando tratamento do câncer desde julho de 2015, em maio deste ano, o HMC inaugurou uma unidade exclusiva de atendimento oncológico pediátrico no bairro Bom Retiro, em Ipatinga. A obra é decorrente de recursos próprios da Fundação São Francisco Xavier, somados aos do Pronon e do Ministério da Saúde. Com um espaço inteiramente dedicado à pediatria, localizado na Unidade II do Hospital Márcio Cunha, a equipe médica trabalha com elevado nível de qualidade para permitir tratamento personalizado e humanizado, com a mãe ou responsável acompanhando o menor, 24 horas por dia.

“A unidade recebeu o nome de ‘Submarino Mágico’ e possui uma decoração pertinente ao tema, que encanta os visitantes. Até mesmo o pijama dos pacientes contextualiza com o ambiente, que é de marinheiro. Assim, sentindo-se integrada, a criança não é apenas um paciente, mas assume o papel de protagonista da sua própria história. Temos ainda um médico oncologista pediátrico que é a figura central do atendimento”, conta Ledvânia.

Paralelamente a isto, o sucesso do tratamento oncológico é decorrente do trabalho com foco na interdisciplinaridade de profissionais, que atuam de maneira integrada e com o olhar totalmente voltado às especificidades de cada criança. Além dos pediatras oncologistas, integram a equipe outros especialistas como psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, nutricionista, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, enfermeiros, técnicos de enfermagem e um pedagogo. São profissionais com formação e experiência, apoiados no que há de mais moderno em tecnologia para diagnóstico, tratamento e reabilitação. As terapias são individualizadas e variam de criança para criança.

“Na semana passada, fizemos a comemoração do aniversário de uma das crianças internadas. A equipe se organizou e fez a festa, claro que, com autorização do médico. Teve bolo, painel decorativo, balões, a família dela e, claro, todos as outras crianças internadas. O importante é que a criança perceba que tentamos fazer com que ela mantenha a mesma realidade que teria se estivesse em casa. Queremos levar para dentro do ambiente hospitalar uma continuidade da vida dela, sem que ela ache que esta doença está interrompendo alguma fase de sua vida”, explica a gerente.

Para ela, a unidade de Oncologia e a FSFX estão aptas a ampliar a assistência à comunidade com excelência. “Estamos preparados, tanto do ponto de vista de infraestrutura, quanto de equipe. A Fundação tem tudo que é necessário para o cuidado dessas crianças”, conclui.

seta voltar PRÓXIMA NOTÍCIA seta