Qualidade e inovação tecnológica no HMC

Assistência aos pacientes ganha em segurança e precisão com a rastreabilidade de materiais e medicamentos
rastreabilidade-1

É fato que as novas tecnologias têm contribuído significamente com a melhoria nos processos que garantem a qualidade na prestação dos serviços. Por isso, alinhada com as exigências do mercado e na busca por excelência, a Fundação São Francisco Xavier consolidou o processo de rastreabilidade dos medicamentos e checagem dos materiais, que envolveu e beneficiou as áreas de Farmácia, Centro Cirúrgico, Central de Materiais e Esterilização (CME) e Enfermagem.

A rastreabilidade permite acompanhar o processo desde o recebimento dos medicamentos, materiais e instrumentais cirúrgicos até a sua administração no leito ou na sala de cirurgia, garantindo a segurança na assistência ao paciente. O método tem a habilidade para rastrear o medicamento ou material na cadeia, sendo capaz de recuperar o histórico, aplicação e localização por meio de tecnologias combinadas incluindo o código de barras, garantindo a origem com informações do caminho que esse produto percorreu na cadeia produtiva até a chegada ao paciente.

Eficácia e controle dos processos

O primeiro setor a ter o sistema de rastreabilidade implantado foi o de Farmácia. O sistema permite controlar e identificar o lote, validade e fabricante dos medicamentos administrados em pacientes internados, via código de barras. É uma proposta que visa acompanhar, em tempo real, todas as informações relacionadas ao medicamento, além de identificar os profissionais e pacientes envolvidos, possibilitando a conferência em todos os pontos por onde o medicamento passar. “O medicamento só pode ser considerado sinônimo de saúde quando usado de forma racional. Por isso, esse procedimento veio para maximizar os benefícios e minimizar os riscos, sendo possível acompanhar todo o ciclo do medicamento dentro do hospital. Além disso, permite reduzir o desperdício de material, eliminando o perigo de se ministrarem doses ou medicamentos errados”, enfatiza a gerente de Farmácia, Ana Paula Diniz.

A iniciativa permite mais segurança no processo de trabalho, impedindo o uso de medicamentos com prazo de validade expirado, minimizando erros de intervalos de administração, permitindo o rastreamento dos motivos de não administração, garantindo a autenticidade de todos os registros efetuados com precisão e rapidez. “A segurança de um medicamento engloba, desde a análise do seu inerente potencial de risco, passando pela prescrição (doses, intervalos, horários, duração), administração (diluições, aplicações, assepsia nas injeções, horários, alimentos concomitantes), aquisição (qualidade, boas práticas de fabricação), armazenamento (umidade, temperatura, tempo de validade), dispensação, até a adesão do paciente ao tratamento”, explica Ana Paula.

De acordo com a supervisora da Equipe Multidisciplinar, Maria Inês Romano, a implementação da nova tecnologia só obteve êxito em decorrência de uma ação integrada, com a mobilização de diversas áreas dentro da instituição. “A rastreabilidade é uma medida de segurança assistencial que envolve uma equipe multidisciplinar, que, por meio de inovações tecnológicas, contribui para o maior controle do fluxo de processos, com ganhos de redução de custos e maior segurança do paciente, que é o nosso principal foco”, explica.

Compromisso com a qualidaderastreabilidade-2

O sistema de rastreabilidade trouxe agilidade nos procedimentos que envolvem tanto a Enfermagem, com a checagem dos medicamentos e materiais, quanto a Central de Materiais e Esterilização (CME), que garante a chegada dos materiais ao destino em condições seguras de uso. “O processo de rastreabilidade contribuiu para uma melhor organização e segurança do trabalho. Uma ferramenta que ajuda a controlar toda a entrada e saída de materiais usados em qualquer procedimento e otimiza o processo de gestão com qualidade. Os materiais recebem etiquetas com códigos de barras que permitem o lançamento no sistema, desde a entrada no estoque da unidade até seu uso em cada procedimento. Isso mostra nossa evolução e comprometimento com as exigências do mercado”, explica a enfermeira supervisora da Central de Materiais e Esterilização, Luciane Pires.

Tecnologia e otimização do tempo

Para potencializar o sistema de rastreabilidade, foi implantado o uso de dispositivos móveis com a tecnologia PDA (Personal Digital Assitant), um equipamento portátil que trouxe agilidade e mobilidade nos processos. Além de ser utilizado na checagem dos medicamentos beira-leito, ele tornou-se ainda novo aliado nos procedimentos de higienização dos apartamentos e enfermarias. A proposta foi otimizar o tempo de liberação dos leitos, garantindo em tempo real o acompanhamento do processo. “A higienização e liberação dos leitos era feita por um sistema já desenvolvido pela equipe de tecnologia, que foi adequado para o sistema do novo dispositivo. Com o PDA, ganhamos mobilidade, agilidade nos processos e, consequentemente, eficácia no trabalho”, destaca a supervisora de Higienização da Unidade II, Danúbia Reis da Silva.

A líder de Conservação e Limpeza, Gabriela Maria Lírio, percebeu mudanças positivas com o uso do equipamento nos procedimentos diários do setor. “A nova tecnologia facilitou o acompanhamento das atividades. Hoje podemos acompanhar os processos mais de perto, tendo a oportunidade de aperfeiçoar nosso serviço e atender muito melhor nossos clientes”, explica.

Postagens Relacionadas

Rolar para cima
Pular para o conteúdo