Chegada do outono aumenta as chances de infecções e crises respiratórias

Pediatra da Usisaúde ressalta como a estação afeta crianças com doenças respiratórias. Entenda as causas e saiba como prevenir.

 

A chegada do outono é um momento de alerta para a saúde de muitos brasileiros, em especial para crianças, pois a alteração de temperatura e do clima deixa-as mais suscetíveis à infecções ou crises respiratórias.

Ana Luiza Barcelos – Pediatra da Usisaúde

Ana Luíza Barcelos, pediatra da Usisaúde, operadora de planos de saúde administrada pela Fundação São Francisco Xavier (FSFX), explica que a sazonalidade dos vírus que afetam o trato respiratório e o comportamento das pessoas agravam as possibilidades de infecções e crises respiratórias no outono. “Alguns vírus são mais frequentes nessa época do ano, porque eles circulam por mais tempo no ar e se propagam com mais facilidade. E, de uma forma geral, o comportamento das pessoas no outono e no inverno; de manterem portas e janelas fechadas, de ficarem em locais mais fechados, ou seja, geralmente ambientes que não são ventilados, justamente por conta do clima frio; é que predispõe a maior troca de vírus”, afirma a médica.

No início do outono, é muito comum o Vírus Sincicial Respiratório (VSR), que causa a temida bronquiolite e ataca principalmente crianças menores de 2 anos, além de outros vírus respiratórios que, simultaneamente, também circularão, por isso, atenção especial aos bebês pequenos. “Outro vírus muito importante de citarmos é o vírus influenza, que causa a gripe e tem sintomas respiratórios intensos, como febre alta persistente. Outros relevantes de serem citados são o adenovírus, também que são vírus que circulam nessa época.

Segundo a recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria, uma das principais formas de prevenção é a vacinação das crianças. “É muito importante a vacinação para os vírus respiratórios. Vale, ainda, uma atenção especial a covid-19. A partir de seis meses de idade, as crianças já podem ser vacinadas, essa é uma forma de prevenção importante, pois diminuiu o risco de e, caso da criança venha a adoecer e evoluir para caso mais grave, mais sério, mais intenso. A vacina é segura, não custa reforçar, e é uma recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria, de todas as outras Sociedades Brasileiras de Medicina, além de ser uma recomendação do Ministério da Saúde. A vacina da influenza, por exemplo, atualmente faz parte do Programa Nacional de Imunização, e pode ser feita na rede privada, também a partir de seis meses de idade. Então, o mais importante é a vacinação”, reforça a pediatra.

Outras dicas importantes para a prevenção são: evitar aglomeração, principalmente locais fechados e cuidar das vias respiratórias. “Como não existe nenhum remédio específico para os sintomas gripais e respiratórios, os pais ou responsáveis devem lavar o nariz com soro fisiológico sempre que necessário (obstrução nasal ou secreção nasal). Para as crianças maiores de um ano, em casos de tosse, de gripes e resfriados, recomendamos o uso do mel, como forma de alívio da tosse, além de hidratar bastante”, orienta a médica.

A pediatra ressalta ainda a importância dos pais ficarem atentos aos sinais e sintomas das crianças, para saberem quando é importante procurar atendimento de urgência, uma vez que nesse período do ano prontos-socorros e pronto atendimentos tendem a ficar mais cheios e com longas filas de espera. “Quando a criança apresentar sinais de alarme, principalmente nos quadros respiratórios, como prostração mesmo sem febre, recusa de líquidos e dificuldade respiratória, ou seja, quando a criança está respirando com dificuldade é importante procurar o atendimento de urgência”.

A médica dá algumas dicas que podem ajudar na prevenção das doenças respiratórias. “É muito importante o ato de vacinar e seguir algumas medidas preventivas, como lavar as mãos regularmente, evitar contato próximo com pessoas doentes, manter os ambientes limpos e ventilados e manter uma alimentação saudável e equilibrada para fortalecer o sistema imunológico”, conclui.

Postagens Relacionadas

Segundo dados do Relatório Mundial sobre Visão da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 2,2 milhões de pessoas no mundo têm deficiência visual ou cegueira e,…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo