Hospital em Ipatinga realiza pelo SUS procedimento inédito no Vale do Aço para posicionamento de Stent Esofágico

Procedimento para colocação de um Stent no esôfago foi realizado pelo Hospital Márcio Cunha em paciente com câncer de esôfago e tem a função de proporcionar melhor qualidade de vida

A equipe de gastroenterologia e endoscopia do Hospital Márcio Cunha, administrado pela Fundação São Francisco Xavier em Ipatinga, marcou um importante avanço no tratamento do câncer esofágico na região do Vale do Aço, em Minas Gerais. No mês de junho, a instituição hospitalar realizou o primeiro procedimento endoscópico para posicionamento de stent esofagiano pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na região.  

A cirurgia, coordenada pelo médico gastroenterologista e endoscopista Rodrigo Lovatti, contou com o auxílio do médico Rafael Bueno de Andrade. O procedimento foi realizado em um paciente idoso de 86 anos que está em tratamento oncológico para câncer de esôfago.

stent metálico esofágico autoexpansível é empregado em terapias para casos de obstruções, estenoses (estreitamento ou constrição de um duto ou passagem) ou fístulas (comunicação anormal entre duas ou mais estruturas do corpo). Sua função é reestabelecer a passagem no esôfago, onde o tumor obstruía o fluxo dos alimentos do esôfago para o estômago.

Até então, esse não era um procedimento coberto pelo SUS na região do Vale do Aço. No entanto, o Hospital Márcio Cunha realizou pioneiramente o procedimento de forma integral pelo sistema de saúde pública, proporcionando acesso a essa inovação terapêutica.

O gastroenterologista Rodrigo Lovatti explica que a colocação do stent é um procedimento pouco invasivo, com duração de aproximadamente trinta minutos. Após o procedimento endoscópico, o paciente ficou em observação protocolor por dois dias e recebeu alta.

O especialista destaca que o procedimento é realizado em bloco cirúrgico, sob anestesia geral e o stent foi inserido através de um aparelho de endoscopia e posicionado com o auxílio de aparelho de raio-X. “Não há necessidade de realizar cortes de emergência, o procedimento é realizado pela boca do paciente e, por isso, o paciente pode apresentar desconforto no dia seguinte”, reforça.

Segundo Lovatti, a colocação do stent esofágico é indicada para pacientes que já passaram por terapia oncológica sem resposta adequada, bem como para aqueles que apresentam contraindicações ao tratamento oncológico ou não podem ser submetidos a uma cirurgia. “É um tratamento paliativo que tem como objetivo proporcionar uma melhor qualidade de vida ao paciente”, pontua.

O paciente submetido ao procedimento continuará sendo monitorado e receberá acompanhamento médico para avaliação da eficácia do tratamento.

Postagens Relacionadas

Na última quinta-feira, dia 18 de abril, o Hospital Municipal Carlos Chagas (HMCC), administrado pela Fundação São Francisco Xavier, em Itabira recebeu a equipe…
Com o tema ‘Proteja o Futuro: Vacine-se’, a semana destaca que a imunização pode evitar o ressurgimento de doenças já eliminadas Comemorada entre 20…
Abordagem multifatorial e tratamento personalizado são essenciais para lidar com a doença e melhorar a qualidade de vida Atingindo cerca de 15% da população…
Unidade de saúde é a única com o título de UTI Cardiológica Top Performer de Minas Gerais As unidades de terapia intensiva adulto (UTIs) do Hospital…
É essencial pontuar que saúde é mais do que a ausência de doenças, é um estado completo de bem-estar físico, mental e social. Para…
Médico neurologista da FSFX fala sobre a doença e tabus  A campanha “Março Roxo” traz um alerta sobre a importância de mobilizar e informar…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo