Saiba o que é o blues puerperal e sua relação com depressão pós-parto

Tempo de leitura: 5 minutos

A preocupação com a saúde e bem estar da mamãe não deve se restringir a gestação. Nos primeiros dias após o parto, também é preciso ficar atento às alterações emocionais e psicológicas que podem surgir. O blues puerperal ou baby blues pode surgir alguns dias após o parto e resolver-se espontaneamente. É um período em que o organismo está se reorganizando e envolve uma carga emocional muito grande.

Neste artigo, explicamos um pouco mais sobre o significado desse conceito, sintomas, duração, relação com a depressão pós-parto e como lidar com esta situação. Continue a leitura e saiba mais!

O que é o blues puerperal?

O blues puerperal ou baby blues, ou ainda, disforia puerperal, é caracterizado por uma tristeza e choros descontrolados, com alterações de humor. Assim que o bebê nasce, nasce também uma mãe e que está com uma fragilidade psíquica. O corpo não é mais o mesmo, a queda hormonal é bem significativa, e, em alguns casos, existe até mesmo uma decepção em relação à chegada do bebê. Os sintomas mais comuns são:

  • preocupação excessiva com a saúde do bebê;
  • choro sem motivo;
  • ansiedade;
  • dificuldade de se concentrar;
  • alterações constantes de humor;
  • irritabilidade;
  • dificuldade para dormir; entre outros.

Mulheres com histórico de depressão têm uma maior chance de desenvolver o quadro.

Quanto tempo dura o blues puerperal e qual a relação com a depressão pós-parto?

Pode ter início cerca de 3 dias após a chegada do bebê e a duração varia,  em média, entre 2 a 3 semanas. Os sintomas vão diminuindo gradativamente, a medida em que a mamãe vai ficando mais confiante em relação ao bebê. E com uma boa rede de apoio esse período se torna menos pesado e cansativo.

Caso dure um período maior de tempo, é um sinal de preocupação, uma vez que pode indicar o desenvolvimento da depressão pós-parto. Neste caso, geralmente se inicia em até 4 semanas após parto, podendo ser considerada puerperal caso iniciada até 12 meses após o parto. 

Os sintomas são parecidos com os dos blues puerperal, porém são mais intensos e duradouros. O blues, se não for bem acompanhado e assistido, pode desencadear a depressão pós-parto. Nesse caso, é imprescindível atenta-se aos sintomas: 

  • Tristeza constante; 
  • Ansiedade intensa e irritabilidade; 
  • Sentimento de culpa; 
  • Autoestima baixa; 
  • Choro excessivo; 
  • Desânimo e cansado extremo; 
  • Incapacidade de cuidar de si mesma e do filho; 
  • Pouco ou nenhum interesse pelo bebê; 
  • Medo de ficar sozinha; 
  • Falta de apetite;
  • Insônia; 
  • Perda do interesse e prazer nas atividades que costumava fazer;
  • Pensamentos suicidas, em alguns casos; entre outros.

A depressão pós-parto dificulta o estabelecimento do vínculo entre a mãe e o filho, aumentar a chance de desmame precoce e o risco de desenvolver doenças. Os bebês podem ter o desenvolvimento emocional, social e cognitivo prejudicados, além do risco aumentando de desenvolver depressão em alguma fase da vida. Por isso, é importantíssimo ter uma rede de apoio que dê o suporte que essa mãe necessita e auxilie na busca por ajuda profissional.

Como lidar com o blues puerperal?

Apesar de tratar de um estado em que não há a necessitam de intervenção medicamentosa, o apoio da família e de amigos, e a participação do companheiro(a), são fundamentais para que a mamãe sinta-se segura e acolhida.

Muitas vezes, mesmo sentindo uma tristeza ou alterações constantes de humor, as mulheres não expõem seus sentimentos, por medo de julgamentos da família. Nesse sentido, é fundamental que ela conte o que está acontecendo.  O suporte emocional adequado, compreensão e a empatia de pessoas próximas são essenciais para garantir a segurança e o conforto que a mulher necessita neste momento.

Para as mamães, o que pode ajudar, durante a gestação e após o parto, é buscar informações e conversar sobre o assunto com a família, além de:

  • Encontrar algo que te dê prazer nessa nova rotina;
  • Descansar bem antes do parto;
  • Após o nascimento do bebê, aproveitar o tempo que ele dorme para dormir/descansar também;
  • Não se importar tanto com os afazeres domésticos, principalmente em função de visitas;
  • Limitar o número de pessoas e período mínimo para iniciar as visitas;
  • Alimentar-se bem;
  • Fazer amizades com outras mães no mesmo período;
  • Muito importante: manter-se calma, sem cobranças internas. Vai passar!

Mas, se necessário, não hesite na buscar por apoio profissional, evitando assim o desenvolvimento de um quadro mais grave.

Este é um período de grandes mudanças na vida de todos os familiares, por essa razão, é preciso ficar atento aos sinais que indicam alterações de humor nas “recém mamães”, contribuindo para manter a sua saúde e a do bebê em dia.

O acompanhamento pré-natal também é fundamental. Continue no blog e saiba mais!

Referências:

AGÊNCIA BRASIL. Blue puerpério pode aumentar durante pandemia e isolamento social. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-06/blue-puerperio-pode-aumentar-durante-pandemia-e-isolamento-social. Acesso em: 04 set. 2020. 

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Depressão pós-parto: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/saude-mental/depressao-pos-parto. Acesso em: 04 set. 2020. 

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Puerpério: período pós-parto requer cuidados especiais. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/promocao-da-saude/50212-puerperio-periodo-pos-parto-requer-cuidados-especiais. Acesso em: 04 set. 2020. 

SERVIÇO SOCIAL DE COMÉRCIO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SESC SP). Entre o baby blues e a depressão pós-parto. Disponível em: https://m.sescsp.org.br/entre-o-baby-blues-e-a-depressao-pos-parto/. Acesso em: 04 set. 2020. 

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Depressão pós parto. Disponível em: https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/nutricao/depressao-pos-parto/#:~:text=%C3%89%20um%20transtorno%20do%20humor,tristeza%20puerperal%20(baby%20blues)%3F. Acesso em: 11 set. 2020.

Postagens Relacionadas

Prática de fumar causa danos para quem fuma e quem convive com fumantes A OMS considera o tabagismo um fator de risco evitável, uma…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo