Dengue, Zika e Chikungunya: você sabe a diferença entre essas doenças?

Tempo de leitura: 6 minutos

Conteúdo atualizado em 17/02/2021

Dengue, zika e chikungunya: essas doenças tornaram-se uma grande preocupação e destaque para as autoridades nacionais e internacionais de saúde nas últimas décadas. Em comum, essas doenças estão associadas ao mesmo vetor: o mosquito Aedes aegypti. Ele é encontrado em todo o território nacional e com ampla facilidade de reprodução, espalhando doenças e sendo um risco para saúde pública.

Neste material, apresentamos os principais sintomas das doenças associadas ao Aedes aegypti, além de orientar sobre como evitar a proliferação desse problema.

Dengue

A dengue, doença mais conhecida transmitida pelo Aedes, apresenta como sintomas mais comuns: febre, dores de cabeça, dores atrás dos olhos, no corpo e nas articulações, falta de apetite, prostração, fraqueza, manchas vermelhas e coceira no corpo.

Em alguns casos pode haver, náuseas, vômitos e perda de peso, além de existirem tipos mais graves. Normalmente, os sintomas desaparecem em até 7 dias, mas deve-se buscar por auxílio médico assim que os sintomas forem identificados, uma vez que inúmeros medicamentos são contraindicados para estes casos.

Chikungunya

A chikungunya pode, muitas vezes, ser confundida com a dengue, por apresentar sintomas como febre e dores no corpo (musculares e nas articulações). No entanto, os sintomas são mais intensos e duradouros. Os sintomas da chikungunya costumam durar entre 3 e 10 dias, mas as dores articulares causadas pela doença podem persistir por um longo período, principalmente se a pessoa já tem doenças musculares e nas articulações instaladas.

Zika

A doença causada pelo zika vírus foi a última, relacionada ao Aedes Aegypti, com casos no país. Pela sua repercussão, quando falamos na doença “zika”, logo associamos o vírus aos casos de microcefalia em bebês, mas, ele atinge também, diferentes faixas etárias e possui diversos sintomas que devem ser observados com atenção.

A doença é caracterizado por dores de cabeça, dores leves nas articulações, coceira, manchas vermelhas na pele e vermelhidão nos olhos. Além disso, podem ocorrer, com menos frequência, inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. Pacientes com zika não costumam apresentar febre e, mesmo quando ela aparece, é baixa. Geralmente, os sintomas desaparecem entre 3 e 7 dias.

Como prevenir a dengue, a chikungunya e zika?

O método mais indicado para reduzir, e até erradicar, o problema é fazer a nossa parte para impedir a reprodução do mosquito Aedes aegypti.

Por essa razão, é recomendado que os domicílios estejam sempre limpos. Em casas que tenham quintal, é preciso eliminar os possíveis criadouros do mosquito. No dia a dia, especialmente em locais onde há o surto da doença, o ideal é telar a casa com mosquiteiros, além de, quando possível, andar com roupas que deixem a pele pouco exposta. O uso de repelentes também contribuem para evitar a picada.

Em casa, algumas práticas ainda devem ser adotadas, como:

  • Deixar os quintais sempre limpos, jogando fora todos aqueles objetos que não são utilizados pelos moradores;
  • Retirar água dos pratos de plantas;
  • Manter as garrafas vazias de cabeça para baixo;
  • Deixar recipientes essenciais sempre limpos (vasilhas de água e de comida dos animais de estimação, por exemplo);
  • Manter baldes e piscinas tampados;
  • Deixar pneus protegidos, para que não fiquem expostos a água de chuva;
  • Eliminar quaisquer lixos que possam acumular água (copinhos de plástico, por exemplo);
  • Furar latinhas de alumínio antes de descartá-las.

Até mesmo em espaços menos convencionais, existe a possibilidade do mosquito se reproduzir, como ralos de pias e banheiros. Além de aplicar larvicidas e inseticidas, recomenda-se que eles sejam tampados com telas.

Como tratar as doenças?

Assim que houver a identificação de qualquer um dos sintomas apresentados, o primeiro passo é ir ao médico para que ele avalie detalhadamente o caso. O tratamento é realizado de acordo com os sintomas apresentados, com analgésicos, antitérmicos e/ou outros medicamentos que se fizerem necessários.

Segundo especialistas, a automedicação é um ato que deve ser evitado quando há o aparecimento de qualquer tipo de sintomas, em especial nas doenças transmitidas pelo Aedes. Afinal, existem medicações que são anticoagulantes (ou seja, impedem a coagulação do sangue, comumente são utilizadas por pessoas que tratam doenças circulatórias), e que podem aumentar a probabilidade de desenvolver hemorragias graves.

Entre eles, o AAS se destaca como um dos principais. Por essa razão, além de ler com atenção as bulas dos remédios e as indicações de cada medicamento, busque por ajuda profissional. Assim, a medicação será feita de acordo com as suas necessidades e o seu histórico clínico, o que diminui os riscos e ainda aumentam as chances de cura em um espaço de tempo menor.

Conforme observado, pequenas atitudes individuais podem contribuir para evitar o aparecimento doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti. A melhor forma para combater qualquer doença é a sua prevenção. 

Além dos cuidados com a Dengue, Chikungunya e Zica, por serem doenças mais comuns durante o verão, outros cuidados relacionados à saúde também devem ser levados em consideração nesta época do ano. Continue no blog e boa leitura. 

Referências:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO ESTADO DE SÃO PAULO (COREN SP) Dengue, Chikungunya, Zika – O que são, transmissão, sintomas, tratamentos e prevenções. 2021. Disponível em: <https://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/dengue-chikungunya-e-zika.pdf>. Acesso em: 05 Jan. 2021.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). Zika: sintomas, transmissão e prevenção. 2020. Disponível em: <https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/zika-sintomas-transmissao-e-prevencao>. Acesso em: 05 Jan. 2021

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Chikungunya: uma dor que pode durar anos. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53646-chikungunya-uma-dor-que-pode-durar-anos. Acesso em: 05 JAN. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. O que é chikungunya?. 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z-1/c/chikungunya>. Acesso em: 05 Jan. 2021.

SECRETARIA DE SAÚDE DA PREFEITURA DE SÃO PAULO. Arboviroses: Dengue, Zika e Chikungunya. 2020. Disponível em: <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/doencas_e_agravos/index.php?p=266741>. Acesso em: 05 Jan. 2021.

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA. Perfil das doenças: Dengue, Zika e Chikungunya. 2021. Disponível em: <http://www.saude.ba.gov.br/temasdesaude/perfil-das-doencas-dengue-zika-e-chikungunya/>. Acesso em: 05 Jan. 2021.

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DO TOCANTINS. Dengue, Zika e Febre de Chikungunya. 2021. Disponível em: <https://saude.to.gov.br/vigilancia-em-saude/dengue-zika-e-febre-de-chikungunya/>. Acesso em: 05 Jan. 2021.

Postagens Relacionadas

Médico do Hospital Márcio Cunha alerta sobre a privação do sono que pode levar a distúrbios como depressão, insônia e apneia. O sono adequado…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo