A importância da mamografia na prevenção do câncer de mama

Conteúdo atualizado em 06/10/2021

Tempo de leitura: 7 minutos.

O câncer de mama hoje é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, está atrás apenas do câncer de pele não melanoma, respondendo por cerca de 25% dos casos novos a cada ano, por isso, a importância de realizar a mamografia preventiva.

É muito importante para a mulher que o diagnóstico seja feito o quanto antes, pois assim, as chances de tratamento e de cura podem aumentar, bem como minimizar possíveis sequelas estéticas, que tanto podem influenciar negativamente na autoestima da mulher. De acordo com estudos que avaliam os benefícios da solicitação regular da mamografia como rastreio, o risco de morte tem reduzido por decorrência da detecção precoce pelo uso da mamografia.

O objetivo deste post é mostrar como funciona o exame de mamografia e sua importância no diagnóstico do câncer de mama. Continue lendo para entender como a prevenção e o autocuidado podem contribuir para a boa saúde e qualidade de vida!

O que é a mamografia e como funciona o exame?

A mamografia é um exame radiológico realizado com o intuito de detectar precocemente lesões que podem  evoluir para câncer de mama ou mesmo que já sejam malignas, com objetivo de prevenção do câncer de mama ou mesmo fazer diagnóstico precoce para definição da melhor conduta, respectivamente. A doença, que pode apresentar tumor benigno ou maligno, resulta da multiplicação de células anormais da mama.

O método utilizado no exame realiza um rastreamento completo da mama, permitindo identificar até mesmo as pequenas alterações não percebidas no autoexame ou avaliação clínica — é essencial para garantir a saúde mamária, sobretudo, em mulheres assintomáticas. Deve-se ter atenção redobrada em pessoas com história familiar de câncer de mama em parentes de primeiro grau; atentar também ao fato de que autoexame das mamas, não exclui a necessidade da mamografia. 

No exame de mamografia, as mamas podem apresentar alterações de características benignas, resultantes de alterações hormonais, fibrocísticas ou doenças inflamatórias ou infecciosas como a mastite e os abcessos, não evidenciando o câncer de mama. Caso a mamografia venha com descrição de mamas densas e/ou classificação de BIRADS 0, é fundamental complementar com ultrassom das mamas e axilas para melhor avaliação.

Já dentre os principais sinais de alterações nas mamas, de aspecto maligno, apontados no exame radiológico estão:

  • Calcificações
  • Nódulo
  • Assimetria
  • Neodensidade
  • Distorção arquitetural
  • Dilatação ductal isolada
  • Espessamento com retração da pele
  • Alteração dos linfonodos axilares

Por que é tão importante realizar a mamografia para prevenção do câncer de mama?

É recomendado pelo Ministério da Saúde que mulheres de 50 a 69 anos façam uma mamografia a cada dois anos. Mulheres que possuem casos de câncer de mama na família, principalmente em parentes de primeiro grau (mãe ou irmã), devem se submeter ao exame por volta dos 35 anos, anualmente.

Um dos maiores fatores de risco para desenvolvimento do câncer de mama é a idade, por isso, a mamografia deve ser realizada anualmente a partir dos 40 anos. Apesar disso, muitas mulheres saudáveis abaixo dessa faixa etária têm dúvidas se podem ou devem realizar o exame de mamografia preventiva.

É importante alertar que as mulheres até os 40 anos não devem expor a mama à radiação presente na mamografia, o que pode trazer complicações no futuro. Nesses casos, a orientação médica é que seja realizada uma ultrassonografia, exame que não requer o uso de radiação ionizante.

Em mulheres que já passaram pela menopausa há predisposição para o desenvolvimento do câncer de mama. Antes desse período, a densidade das mamas reduz a sensibilidade à mamografia, o que pode induzir os chamados resultados falso-negativos, um diagnóstico negativo para alguém com câncer de mama ou falso-positivos, onde ocorre o contrário.

Além disso, mulheres que já tiveram algum tumor/nódulo detectado em algum momento devem fazer o acompanhamento do caso realizando a mamografia regularmente. É recomendado que as mulheres conversem com o médico para avaliação do risco e a conduta a ser seguida.

É importante lembrar que durante muitos anos o autoexame foi recomendado com uma técnica de rastreamento do câncer de mama. Entretanto, o ideal é que a mamografia seja realizada regularmente para minimizar os riscos ou, no caso de uma lesão, buscar o diagnóstico correto.

No entanto, a observação das mamas é uma ação de autocuidado que pode emitir um alerta ao menor sinal de alteração, seja na sensibilidade, coloração, percepção de nódulos, tamanho, ferida no mamilo ou aspecto geral da mama — uma descoberta aleatória pode salvar a vida.

Este é um exame muito importante para a saúde da mulher, mas lembre-se que homens também podem ter câncer de mama, mas isso é raro (apenas 1% dos casos), procure seu médico e avalie a necessidade de realizar a mamografia.

A prática de atividades físicas, além de uma alimentação balanceada e saudável, redução do consumo de fumo e álcool, contribuem para reduzir as chances de detecção das temíveis alterações durante a realização da mamografia. Esses cuidados, junto com o exame, podem reduzir em até 28% o risco de desenvolver esse tipo de câncer.

Vale ressaltar que a necessidade da realização da mamografia deve estar associada a uma avaliação médica detalhada. Por isso a importância do acompanhamento regular com seu médico de referência em um programa de atenção primária à saúde.

Gostou do post? Que tal aproveitar a visita em nosso blog para aprender mais sobre a saúde da mulher.

Referências:

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Mamografia. 2021. Disponível em: <https://sites.usp.br/guiacseb/servicos/mamografia/>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG). Realização periódica da mamografia é a melhor forma de prevenção. 2020. Disponível em: <https://www.medicina.ufmg.br/realizacao-periodica-da-mamografia-e-a-melhor-forma-de-prevenir-cancer-de-mama/>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Confira as recomendações do Ministério da Saúde para o rastreamento do câncer de mama. 2019. Disponível em: <https://www.inca.gov.br/noticias/confira-recomendacoes-do-ministerio-da-saude-para-o-rastreamento-do-cancer-de-mama>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Detecção precoce. 2021. Disponível em: <https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-de-mama/acoes-de-controle/deteccao-precoce>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 05/02 – Dia Nacional da Mamografia. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/05-02-dia-nacional-da-mamografia-2/>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE; INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Atualização em mamografia para técnicos em radiologia. Disponível em: <https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/2a_edicao_atualizacao_em_mamografia_para_tecnicos_em_radiologia_2019.pdf>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

SECRETARIA DE POLÍTICA PARA AS MULHERES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA. Dia Nacional da Mamografia alerta para importância de diagnóstico precoce. 2021. Disponível em: <http://www.mulheres.ba.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=3051>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB). Mulheres que se vacinaram contra a Covid-19 devem esperar 2 a 4 semanas para fazer mamografia. 2021. Disponível em: <https://www.ufpb.br/cras/contents/noticias/mulheres-que-se-vacinaram-contra-a-covid-19-devem-esperar-2-a-4-semanas-para-fazer-mamografia>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS (UFG). Professora tira dúvidas sobre exame de mamografia. 2020. Disponível em: <https://jornal.ufg.br/n/123692-professora-tira-duvidas-sobre-exame-de-mamografia>. Acesso em: 18 Ago. 2021.

Postagens Relacionadas

Médico do Hospital Márcio Cunha alerta sobre a privação do sono que pode levar a distúrbios como depressão, insônia e apneia. O sono adequado…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo