Métodos de Barreira: O que são e como funcionam?

Esses métodos podem ser hormonais e outros denominados “de barreira”. Estes últimos impedem que o espermatozoide encontre o óvulo e o fecunde, sem que seja necessário o uso de medicamentos.

Os métodos de barreira podem ser masculinos ou femininos e alguns deles também podem ser bastante eficazes na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), por impedir o contato entre os órgãos sexuais, como é o caso das caminhas masculina e feminina.

Quais são os métodos de barreira?

Agentes espermaticidas

São medicamentos em forma de creme, pomada ou gel, que são depositados na vagina e que imobilizam ou destroem os espermatozoides antes que eles alcancem o colo uterino. Os espermaticidas não necessitam de prescrição médica, mas uma conversa com o ginecologista pode esclarecer muitas dúvidas.

Preservativo masculino (camisinha)

É uma capa fina de borracha, lubrificada, que cobre o pênis durante a relação sexual, impedindo o seu contato direto com a vagina e retendo o esperma ejaculado. A camisinha deve ser colocada no pênis enquanto este estiver ereto e, preferencialmente, antes de qualquer contato com a vagina, já que o líquido seminal também pode conter espermatozoides e qualquer contato sem proteção pode transmitir doenças. No mercado existem ainda preservativos cobertos com espermaticida, que são substâncias capazes de inativar os espermatozoides. É fundamental lembrar-se de que um preservativo deve ser usado apenas uma vez e descartado logo após o uso.

Preservativo feminino (camisinha)

É um tubo feito de plástico macio, fino e resistente, que já vem lubrificado e que se coloca dentro da vagina, impedindo seu contato com o pênis e o esperma e diminuindo os riscos gravidez e transmissão de DSTs. A eficácia da camisinha aumenta se seu uso for associado a lubrificantes com capacidade espermaticida. A maior vantagem da camisinha feminina é que pode ser colocada até oito horas antes da relação sexual, evitando uma interrupção do momento de intimidade para colocação do preservativo. Assim como a camisinha masculina, a feminina só deve ser utilizada uma vez e descartada logo após o uso.

Diafragma

É uma capa flexível de borracha ou de silicone, com uma borda em forma de anel, que é colocada na vagina para cobrir o colo do útero e impedir que os espermatozoides o penetrem. Sua eficácia é aumentada se for usado com uma camada de espermaticida. O diafragma só poderá ser utilizado após avaliação de um profissional, que também deverá fazer exames e indicar o tamanho ideal para cada paciente.

Lembre-se: os preservativos masculinos e femininos são os únicos métodos que protegem contra DSTs/AIDS/HIV.

Alguns cuidados são necessários para evitar a transmissão das DSTs. Entre eles destaca-se a chamada “dupla proteção”. Esta se dá pelo uso combinado da camisinha (masculina ou feminina) com outro método anticoncepcional para promover, ao mesmo tempo, a prevenção da gravidez e da contaminação pelo HIV/AIDS e por outras doenças sexualmente transmissíveis.

Para que você possa escolher o método mais adequado, é importante saber as vantagens, desvantagens e riscos de cada método. Para isto, converse com o seu médico.

Postagens Relacionadas

O dia 21 de junho marca o início do inverno, no Brasil, e é também quando se celebra o Dia Nacional de Controle da…
Condição crônica atinge população mais jovem devido a estilo de vida pouco saudável A hipertensão arterial, popularmente conhecida como pressão alta, é uma condição…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo