Diabéticos: seus pés necessitam de cuidado

Tempo de leitura: 7 minutos.

Neste post você vai saber o que é o pé diabético e as principais características do problema. Continue lendo e veja como é feito o diagnóstico do pé direito, além de como tratar a condição!

O que é o pé diabético?

É considerado “Pé Diabético” o quadro que envolve infecções, ulcerações e comprometimento de tecidos profundos, causados por desordens vasculares e neuropáticas (consequências do Diabetes mal controlado).

Dessa forma, os altos níveis de açúcar no sangue podem afetar os nervos e a circulação sanguínea das pernas, causando deformidades ósseas e articulares, formigamentos, agulhadas, queimação e até insensibilidade nos pés. Assim, em muitos casos, o diabético acaba não sentindo as possíveis lesões, que podem se agravar e serem infectadas. Ou seja, o Diabetes mal controlado torna o paciente suscetível ao desenvolvimento de pé diabético.

São características do pé diabético: 

  • Temperatura ou coloração da pele alteradas; 
  • Deformidade dos ossos ou tecidos;
  • Feridas;
  • Presença de inflamação ou infecção.

Logo que perceber qualquer ferida nos pés (mesmo que muito pequena), é imprescindível buscar a ajuda de um especialista, como médico ou enfermeiro. Procurar ajuda profissional imediatamente se perceber mudança na coloração dos pés, presença de feridas, edema, entre outras alterações. 

O exame periódico dos pés propicia a identificação precoce e o tratamento oportuno das alterações encontradas, possibilitando assim a prevenção de um número expressivo de complicações do Pé Diabético. 

Assistência de enfermagem atua em conjunto com o paciente no processo de educação em saúde, reforçando sua percepção de riscos à saúde e contribuindo com o desenvolvimento de habilidades importantes para identificação, e prevenção de problemas.

Quais as características e sintomas do problema?

A polineuropatia diabética (PND), que ocorre por lesões nos nervos periféricos, é um dos principais fatores de risco para o pé diabético. Sem a devida circulação sanguínea nos pés, a PND pode evoluir para a doença arterial obstrutiva crônica (DAOP) e para o processo drástico de amputação do membro afetado. 

Em um paciente diabético, as alterações do pé diabético são: pequena ferida com difícil cicatrização, perda de sensibilidade, temperatura anormal, pele seca, veias dilatadas.

Trata-se de uma região de baixa vascularização, o que interfere na sensibilidade da área comprometida com consequente perda de sintomas, resultando em dificuldade na identificação da lesão pelo paciente. Por isso, a inspeção e cuidados diários são fundamentais para evitar o agravamento e complicações graves. 

Com a inspeção rotineira, alguns aspectos podem ser observados mais de perto e caracterizarem o pé diabético. Veja os principais deles:

  • Câimbras
  • Formigamento
  • Dormência 
  • Perda da sensibilidade local 
  • Dores (fincadas, pontadas) 
  • Sensação de agulhadas
  • Fraqueza nas pernas
  • Queimação nos pés e nas pernas

Essas sensações e sintomas costumam ser mais intensos e evidentes à noite, ao deitar, o que exige um sinal maior de alerta. Quanto mais cedo se detectar alguma alteração, maiores as chances de tratamento e controle, uma vez que não há cura definitiva para o pé diabético. 

Orientações para cuidados com os pés

  • Inspecione diariamente os pés, inclusive a área entre os dedos. Procure rachaduras, bolhas, inchaços, feridas entre os dedos, inflamações ou qualquer mudança de cor. Para facilitar a visualização, use um espelho ou peça ajuda de outra pessoa, caso tenha dificuldade em ver todo o pé.  
  • Lave os pés todos os dias com sabão neutro e água morna. Sempre controle a temperatura da água, para que não fique muito quente (a neuropatia diabética pode afetar a percepção dos seus pés para temperaturas muito altas ou muito baixas). 
  • Nunca deixe os pés de molho e evite bolsas de água quente. 
  • Enxugue bem os pés, inclusive entre os dedos (a umidade favorece o surgimento de micoses). 
  • Use diariamente, após o banho, hidratante no dorso e planta dos pés (nunca entre os dedos), para evitar o ressecamento da pele. 
  • É melhor aparar as unhas dos pés com uma lixa, ao invés de cortá-las. Sempre use a lixa cuidadosamente para não atingir a pele; não tire cutícula e cantos das unhas (risco de infecções). 
  • Examine seus sapatos sempre antes de calçá-los, para certificar-se que não há nada que possa pressionar ou machucar seus pés; prefira sempre meias de algodão e evite meias com costuras: Não use os sapatos sem meias. 

 Se você tiver calos ou verrugas, procure um especialista para tratá-los. Não use agentes químicos para remover calos. Não tente cortá-los e não use remédios sem orientação médica. 

  • Procure não andar descalço, mesmo dentro de casa, para que não se machuque (principalmente quando em areia quente ou asfalto). 
  • Ao fazer exercícios físicos, use calçados apropriados e confortáveis.

Como você pode ver, a rotina de autocuidados associada a visitas periódicas ao médico ou enfermeiro, são essenciais para controlar o diabetes e prevenir complicações. 

Os cuidados de saúde para o diabético são mais rigorosos, devido às possíveis consequências que a doença pode trazer. Entretanto, com o acompanhamento regular, problemas como o pé diabético são mais fáceis de serem identificados e tratados, no intuito de impedir que as lesões se agravem e que ocorra amputação.

Se você gostou deste post, que tal continuar no nosso blog e saber quais são os riscos do excesso de açúcar na alimentação e como melhorar esse aspecto para ter maior qualidade de vida!

Referências:

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual do pé diabético: Estratégias de cuidado da pessoa com doença crônica. 2016. Disponível em: <http://www.as.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/2016/06/manual_do_pe_diabetico.pdf>. Acesso em: 30 Jul. 2021

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Pé diabético. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/pe-diabetico-3/>. Acesso em: 30 Jul. 2021

SECRETARIA DE SAÚDE DO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cuidados simples no dia a dia são fundamentais para evitar pé diabético. 2020. Disponível em: <https://www.saude.ce.gov.br/2020/01/02/cuidados-simples-no-dia-a-dia-sao-fundamentais-para-evitar-pe-diabetico/>. Acesso em: 30 Jul. 2021

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANGIOLOGIA E DE CIRURGIA VASCULAR – REGIONAL SÃO PAULO (SBACVSP). Pé diabético. 2021. Disponível em: <https://sbacvsp.com.br/pe-diabetico/>. Acesso em: 30 Jul. 2021

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA – REGIONAL RIO DE JANEIRO (SBDRJ). O que é pé diabético?. 2021. Disponível em: <https://sbdrj.org.br/o-que-e-pe-diabetico/>. Acesso em: 30 Jul. 2021

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA (SBEM). Pé diabético. 2021. Disponível em: <https://www.endocrino.org.br/pe-diabetico/>. Acesso em: 30 Jul. 2021

Postagens Relacionadas

Médico do Hospital Márcio Cunha alerta sobre a privação do sono que pode levar a distúrbios como depressão, insônia e apneia. O sono adequado…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo