Prevenção de quedas

Tempo de leitura: 3 minutos

Conteúdo atualizado em 09/12/2020

As quedas em idosos são consideradas um problema de saúde pública, devido à frequência, morbidade e alto custo, associados às lesões provocadas. As principais consequências são fraturas, traumatismo craniano, contusão muscular e medo de cair. Embora não seja uma consequência inevitável do envelhecimento, a queda pode sinalizar o início de fragilidade ou indicar doença aguda.

Saiba um pouco mais sobre fatores que podem predispor os idosos às quedas e dicas de como prevenir. 

Saiba um pouco mais sobre fatores que podem predispor os idosos às quedas e dicas de como prevenir. 

Quais as possíveis causas?

As quedas são multifatoriais e podem estar relacionadas a causas físicas, do próprio corpo, ou a inadequações do ambiente em que se vive.

Entre os fatores físicos que contribuem para a ocorrência dos acidentes estão:

  • Problemas oftalmológicos (da visão) como catarata e glaucoma (muito comuns em idosos);
  • Doenças neurológicas, como a Doença de Parkinson ou acidentes vasculares encefálicos (AVE);
  • Uso de medicamentos para controle cardíaco, hipertensão ou para dormir;
  • Quadros de incontinência urinária, que podem fazer com que o idoso levante-se com pressa e esbarre nos móveis, principalmente à noite;
  • Vertigem e confusão mental;
  • Alterações posturais e de equilíbrio, distúrbios de marcha;
  • Doenças ortopédicas, como osteoporose e artrose; 
  • Dificuldades associadas à própria idade, muitas vezes já avançada.

É possível prevenir?

Com o intuito de minimizar as quedas e suas consequências, é importante realizar exames e acompanhamento médico periodicamente. Além de inserir cuidados e práticas simples, tais como: 

  • Modificações e adaptações nos domicílios, como instalação de barras de apoio em banheiros, e corrimão nas escadas ou rampas.
  • Promoção da segurança fora do domicílio;
  • Intervenções multidisciplinares e de promoção da saúde, tanto para os idosos, quanto para os cuidadores;
  • Prática de exercícios físicos, para fortalecimento e melhorar do equilíbrio, sempre com acompanhamento profissional, associada à alimentação adequada.

Atente-se também aos cuidados com o local de permanência do idoso e calçados, para prevenir a ocorrência de acidentes: 

  • Dê atenção ao piso da casa – não o deixe molhado ou encerado, tente substituir os pisos lisos por antiderrapantes, troque tacos soltos ou pisos quebrados e não permita que o idoso ande por calçadas irregulares; 
  • Evite deixar fios, brinquedos, mesas e outros obstáculos espalhados pelo chão;
  • Cuidado com tapetes soltos pela casa, eles podem deslizar e causar acidentes;
  • Deixe uma luz acesa à noite, para o caso de precisar se levantar;
  • Dê preferência a calçados fechados e com solado emborrachado, evite usar chinelos de flanela ou caminhar de meia sobre o piso escorregadio.

É importante ressaltar que os idosos que já sofreram algum tipo de queda acabam perdendo a confiança, o que provoca, de certa forma, uma diminuição da funcionalidade e restrição das atividades cotidianas. Esse sentimento produz alterações emocionais, psicológicas e sociais. Portanto, a prevenção é muito importante, no sentido de minimizar problemas secundários decorrentes de quedas e promover maior qualidade de vida! 

Avalie sempre as melhores opções e deixe os ambientes mais seguros! Continue no blog e confira mais conteúdos sobre a terceira idade.

Referências:

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Como reduzir quedas nos idoso. Disponível em: https://www.into.saude.gov.br/lista-dicas-dos-especialistas/186-quedas-e-inflamacoes/272-como-reduzir-quedas-no-idoso. Acesso em: 07 dez. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Quedas em idosos: um problema de saúde pública. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53685-quedas-em-idosos-um-problema-de-saude-publica. Acesso em: 07 dez. 2020.

As quedas em idosos são consideradas um problema de saúde pública, devido à frequência, morbidade e alto custo, associados às lesões provocadas. As principais consequências são fraturas, traumatismo craniano, contusão muscular e medo de cair. Embora não seja uma consequência inevitável do envelhecimento, a queda pode sinalizar o início de fragilidade ou indicar doença aguda.

Saiba um pouco mais sobre fatores que podem predispor os idosos às quedas e dicas de como prevenir. 

Saiba um pouco mais sobre fatores que podem predispor os idosos às quedas e dicas de como prevenir. 

Quais as possíveis causas?

As quedas são multifatoriais e podem estar relacionadas a causas físicas, do próprio corpo, ou a inadequações do ambiente em que se vive.

Entre os fatores físicos que contribuem para a ocorrência dos acidentes estão:

  • Problemas oftalmológicos (da visão) como catarata e glaucoma (muito comuns em idosos);
  • Doenças neurológicas, como a Doença de Parkinson ou acidentes vasculares encefálicos (AVE);
  • Uso de medicamentos para controle cardíaco, hipertensão ou para dormir;
  • Quadros de incontinência urinária, que podem fazer com que o idoso levante-se com pressa e esbarre nos móveis, principalmente à noite;
  • Vertigem e confusão mental;
  • Alterações posturais e de equilíbrio, distúrbios de marcha;
  • Doenças ortopédicas, como osteoporose e artrose; 
  • Dificuldades associadas à própria idade, muitas vezes já avançada.

É possível prevenir?

Com o intuito de minimizar as quedas e suas consequências, é importante realizar exames e acompanhamento médico periodicamente. Além de inserir cuidados e práticas simples, tais como: 

  • Modificações e adaptações nos domicílios, como instalação de barras de apoio em banheiros, e corrimão nas escadas ou rampas.
  • Promoção da segurança fora do domicílio;
  • Intervenções multidisciplinares e de promoção da saúde, tanto para os idosos, quanto para os cuidadores;
  • Prática de exercícios físicos, para fortalecimento e melhorar do equilíbrio, sempre com acompanhamento profissional, associada à alimentação adequada.

Atente-se também aos cuidados com o local de permanência do idoso e calçados, para prevenir a ocorrência de acidentes: 

  • Dê atenção ao piso da casa – não o deixe molhado ou encerado, tente substituir os pisos lisos por antiderrapantes, troque tacos soltos ou pisos quebrados e não permita que o idoso ande por calçadas irregulares; 
  • Evite deixar fios, brinquedos, mesas e outros obstáculos espalhados pelo chão;
  • Cuidado com tapetes soltos pela casa, eles podem deslizar e causar acidentes;
  • Deixe uma luz acesa à noite, para o caso de precisar se levantar;
  • Dê preferência a calçados fechados e com solado emborrachado, evite usar chinelos de flanela ou caminhar de meia sobre o piso escorregadio.

É importante ressaltar que os idosos que já sofreram algum tipo de queda acabam perdendo a confiança, o que provoca, de certa forma, uma diminuição da funcionalidade e restrição das atividades cotidianas. Esse sentimento produz alterações emocionais, psicológicas e sociais. Portanto, a prevenção é muito importante, no sentido de minimizar problemas secundários decorrentes de quedas e promover maior qualidade de vida! 

Avalie sempre as melhores opções e deixe os ambientes mais seguros! Continue no blog e confira mais conteúdos sobre a terceira idade.

Referências:

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Como reduzir quedas nos idoso. Disponível em: https://www.into.saude.gov.br/lista-dicas-dos-especialistas/186-quedas-e-inflamacoes/272-como-reduzir-quedas-no-idoso. Acesso em: 07 dez. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Quedas em idosos: um problema de saúde pública. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/53685-quedas-em-idosos-um-problema-de-saude-publica. Acesso em: 07 dez. 2020.

Postagens Relacionadas

Condição crônica atinge população mais jovem devido a estilo de vida pouco saudável A hipertensão arterial, popularmente conhecida como pressão alta, é uma condição…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo