Rinite pode virar sinusite? Os cuidados com a rinite alérgica

Com a chegada do tempo frio e seco, os problemas respiratórios, como asma e bronquite, tendem a afetar mais aquelas pessoas que sofrem de alergias. A rinite, por sua vez, é mais comum em lugares úmidos, como nas cidades de Belém e Curitiba, uma vez que a umidade favorece a proliferação de ácaros e fungos. O Brasil está entre os países que apresentam as maiores taxas de prevalência de asma e rinite alérgica no mundo, sendo a rinite a de maior ocorrência entre as doenças respiratórias crônicas.

O que é a rinite alérgica?

A rinite alérgica é uma reação imunológica de nosso organismo quando ele entra em contato com partículas estranhas trazidas pelo ar e que penetram, principalmente, pelo nariz. Essas partículas, denominadas alérgenos, podem causar reações indesejadas em alguns indivíduos, que são os alérgicos. Trata-se de inflamações que atacam, principalmente, as mucosas das paredes internas do nariz.

O sistema imunológico dessas pessoas reage de forma “exagerada” a esses invasores do corpo, na tentativa de defender o organismo.

Rinite pode virar sinusite?

Caso a rinite não seja tratada adequadamente, ela pode evoluir para um quadro de sinusite. Isso pode ocorrer porque a inflamação no nariz provocada pela rinite passa a ser uma porta de entrada para as bactérias, que são as maiores causadoras da sinusite. Há também o risco de a rinite provocar otite e conjuntivite em função do acúmulo de secreções nas vias aéreas.

Quais são os sintomas da rinite?

A rinite costuma provocar sintomas variados entre um indivíduo e outro. No entanto, alguns são mais comuns:

  • coriza;
  • espirros constantes;
  • olhos avermelhados e lacrimejantes;
  • congestão nasal;
  • ardências nos olhos, no nariz e na boca;
  • olheiras;
  • cansaço;
  • dor de cabeça.

O que causa a rinite?

Entre os fatores de risco mais comuns para o surgimento da rinite alérgica estão: a hereditariedade (filhos de pais que sofrem de rinite têm 50% mais chances de desenvolver a doença), a poluição do ar e algumas condições climáticas, como excesso de umidade.

Outras causas importantes são alergia a ácaros, pelos de animais, pólen e fumaça, bem como infecções virais ou bacterianas nas vias aéreas. A poeira doméstica, constituída por resíduos de pele humana, partículas de insetos e de pelos de animais, é uma das principais vilãs dos alérgicos. Os ácaros, por sua vez, são minúsculos aracnídeos que estão comumente presentes em colchões e travesseiros, uma vez que esses locais são depósitos de fragmentos de pele humana, que lhes servem de alimento.

Como é feito o diagnóstico e qual é o tratamento?

O diagnóstico da rinite é realizado pelo médico, após observação dos sintomas.

O tratamento pode variar, dependendo do tipo de rinite e do indivíduo. Após avaliação médica pode ser necessário o uso de anti-histamínicos ou corticoides para reduzir a alergia e os sintomas da rinite. O essencial, porém, é manter o ambiente limpo e arejado.

Evite carpetes, cortinas, bichos de pelúcia e outros objetos que podem acumular poeira. Utilizar capas nos travesseiros e aplicar produtos que combatam os ácaros também é uma boa medida. Por fim, evitar cheiros fortes, como perfumes, tintas, esmaltes, inseticidas e cigarros é extremamente útil para quem sofre de rinite e de outras alergias.

Postagens Relacionadas

Médico do Hospital Márcio Cunha alerta sobre a privação do sono que pode levar a distúrbios como depressão, insônia e apneia. O sono adequado…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo