Saiba mais sobre transtornos de ansiedade

Tempo de leitura: 5 minutos.

Conteúdo atualizado em 14/07/2021

Todos nós nos sentimos ansiosos de vez em quando. A ansiedade é uma emoção necessária, que faz com que nos adaptemos e tomemos ações de enfrentamento diante de problemas ou ameaças. O problema é quando a ansiedade se torna excessiva ao ponto de nos prejudicar nas atividades do dia a dia, nos paralisando e/ou provocando sofrimento podendo se tornar um transtorno de ansiedade.

Embora os sintomas sejam semelhantes ou se desenvolvam de forma simultânea, existem diferentes tipos de transtornos de ansiedade. 

Alguns distúrbios estão associados à convivência com outras pessoas, medo de situações ou animais, enquanto outros se referem a questões como organização e limpeza – um emaranhado de sentimento que podem acarretar um grau maior de ansiedade.

Continue lendo para saber mais sobre os principais transtornos de ansiedade, como é feito o diagnóstico e tratamento!

O que é o transtorno de ansiedade?

O transtorno de ansiedade é caracterizado por sentimentos intensos de preocupação, medo e tensão, acompanhado por reações físicas e mentais desconfortáveis que interferem na rotina e atividades diárias. 

Podem estar presentes sintomas como enjoo, vômito, cansaço excessivo, insônia, inquietação, prostração, apatia, entre outros.

As possíveis causas do transtorno de ansiedade podem estar relacionadas a fatores genéticos, ambientais, a questões psicológicas, a uma doença física ou a eventos independentes e pontuais.

Quais são os principais transtornos de ansiedade?

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG)

É o tipo de ansiedade mais comum. Ele pode ter início ainda na infância e causar prejuízos profissionais e sociais. O principal sintoma é a preocupação extrema acompanhada de sintomas como sudorese, fadiga, dor de cabeça, tensão muscular, inquietude, disfunção gastrointestinal, falta de sono, palpitação e dificuldade de concentração. 

Transtorno de ansiedade social

Mais conhecido como fobia social, caracteriza-se pelo surgimento de sintomas de ansiedade e pavor ao ser observado por outras pessoas em situações corriqueiras, como comer, escrever, assinar um documento ou fazer uma apresentação.

Os sintomas mais comuns são enrubescimento (vermelhidão), sudorese, tremores, dificuldade de concentração, tontura, sensação de desmaio, palpitações e falha de memória. O que o difere dos outros é que dura somente o tempo em que se está exposto.

Transtorno do pânico

O distúrbio do pânico, por outro lado, é caracterizado por ataques súbitos, em que o indivíduo tem a sensação de sufocação, morte iminente, perda de controle, além de tonturas, sudorese, tremores, taquicardia e alterações gastrointestinais.

Embora se manifestem de forma repentina e esporádica, os ataques relacionados ao distúrbio do pânico podem progredir para um quadro denominado agorafobia, que consiste em evitar situações e locais – como engarrafamentos, túneis, avião, shopping centers, grandes espaços abertos, além de ficar ou sair sozinho –  por medo de sofrer um ataque.

Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)

A principal característica do TOC é a presença de crises recorrentes de obsessões e compulsões, e apresenta diversos níveis de gravidade. 

Os sintomas do TOC tendem a ocupar uma parcela cada vez maior do tempo do indivíduo e estão vinculados a alterações do comportamento, como repetições, compulsões, rituais e manias; alterações do pensamento como preocupações em excesso, dúvidas constantes, obsessões; e alterações das emoções como culpa, medo, inquietação, angústia.

Transtorno de Estresse Pós Traumático

É o transtorno de ansiedade caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais em decorrência da pessoa ter sido vítima ou testemunha de atos violentos ou de situações traumáticas que representaram ameaça à sua vida ou à vida de terceiro.

Os sinais e sintomas incluem: revivência repetida do evento traumático (“flashbacks“, sonhos, pesadelos); retraimento em relação aos outros; perda das reações emocionais; falta de prazer; evitação de atividades e/ou situações quem podem despertar a lembrança do trauma.

Como é feito o diagnóstico e o tratamento dos transtornos de ansiedade?

Para detectar se um indivíduo sofre de algum transtorno de ansiedade o médico realiza uma avaliação clínica investigando os sintomas apresentados, aplicando escalas psíquicas e rastreando se há causas orgânicas ou doenças clínicas. O tratamento é feito com psicoterapia e medicamentos. Atividade física regular e meditação podem auxiliar no tratamento dos transtornos de ansiedade.

Gostou do post? Que tal seguir a FSFX nas redes sociais para mais dicas de saúde e bem-estar? Estamos no Facebook, Instagram e Twitter, com conteúdos sempre atualizados!

Referências:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS (UFAL). Transtornos de ansiedade: Um estudo de prevalência sobre as fobias específicas e a importância da ajuda psicológica. 2015. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/2611/1497>. Acesso em:15 Jun. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG). Ansiedade (transtorno de ansiedade generalizada). 2020. Disponível em: <https://www.medicina.ufmg.br/observaped/ansiedade-transtorno-de-ansiedade-generalizada/>. Acesso em:15 Jun. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO (UFOP). Transtornos de ansiedade, transtornos do espectro obsessivo-compulsivo e insônias. Disponível em: <https://saudemental.ufop.br/transtornos-de-ansiedade-transtornos-do-espectro-obsessivo-compulsivo-e-ins%C3%B4nias>. Acesso em:15 Jun. 2021.

MANGOLINI VI, ANDRADE LH, WANG YP. Epidemiologia dos transtornos de ansiedade em regiões do Brasil: uma revisão de literatura. 2019. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/144226/157948>. Acesso em:15 Jun. 2021.

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Protocolo da Rede de Atenção Psicossocial, baseado em evidências, para o acolhimento e o tratamento de transtornos de ansiedade generalizada. 2015. Disponível em:

Postagens Relacionadas

Segundo dados do Relatório Mundial sobre Visão da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 2,2 milhões de pessoas no mundo têm deficiência visual ou cegueira e,…
Rolar para cima
Pular para o conteúdo